18 outubro 2006

Cabeceira

  • Uma história dos povos árabes. Albert Hourani. Professor de Oxford, falecido em 1993, conta a história das regiões de língua árabe desde o surgimento do Islã, no século VII, até o final da década de 1970. Uma obra de referência para a compreensão da origem dos conflitos mundiais que vivemos no presente.
  • Dois irmãos. Milton Hatoum. O autor, nascido em Manaus, recebeu o Prêmio Jabuti de 2001 por este romance, no qual relata a trajetória de uma família de origem libanesa, repleta de sensualidade, relações incestuosas e rivalidades, sobretudo entre os dois irmãos gêmeos protagonistas. O livro, cujo enredo remete o leitor ao romance de Machado de Assis, Esaú e Jacó, vem sendo traduzido a vários idiomas, e muito bem acolhido em outros países. Esta releitura confirma a boa impressão que provocou há dois anos, quando o lí pela primeira vez.
  • Os porcos-espinhos de Schopenhauer: a intimidade e seus dilemas. Cinco histórias de psicoterapia. Deborah Anna Luepnitz. Cinco relatos de psicoterapia, em que a autora, que é professora da Faculdade de Medicina da Universidade da Pensilvania, mostra uma rara capacidade de integrar recursos técnicos e teóricos provenientes da matriz psicanalítica com aqueles de extração mais sistêmica.
  • Saturno nos trópicos: a melancolia européia chega ao Brasil. Moacyr Scliar. O prolífico autor gaúcho, médico por formação, faz uma breve história da melancolia, que engloba a Antiguidade Clássica, a Renascença, e o Brasil na transição para a modernidade. A partir das expressões artísticas e principalmente literárias (nas obras de Machado de Assis e Lima Barreto, por exemplo), Scliar analisa os aspectos melancólicos da cultura brasileira.
  • Somos todos criminosos e desonestos? Um estudo sobre a delinqüência. Francisco Baptista Neto. Enquanto Scliar se pergunta se somos todos depressivos, Francisco Baptista se pergunta se somos todos delinqüentes... Chico, como é conhecido por amigos e pacientes este médico psiquiatra e psicoterapeuta de Florianópolis, escreveu um livro que chega em boa hora, e que desveste a sociedade de algumas de suas crenças mais hipócritas, expondo pequenas e grandes desonestidades que fazem parte do cotidiano de todos nós.

2 comentários:

Aluizio Amorim disse...

Ercy,

já flagrei sua visita agora no meu blog. E já vi o link aqui e agradeço. Vou fazer também um link para o seu. Tá bacana. Vamos à luta.
Abraço do

aluízio amorim
http://oquepensaaluizio.zip.net

ivisivel disse...

hahahahahahahahhha
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
O COMENTARIO ESTA ADORAVEL!