16 fevereiro 2009

connectome


In order to understand how each nerve cell integrates into the functional organization of a neural circuit, it is necessary to obtain the complete wiring diagram (connectome) of the circuit by tracing out all the neural processes in the sample. We used confocal laser scanning microscopy to image all the axons that innervate a small ear muscle in transgenic mice that express fluorescent protein in motor neurons. Shown here is a piece of one of the reconstructed image stacks containing branches of ~ 10 axons. Each axon was traced out in a semi-automated image processing program and rendered in 3D with a distinct color. This image stack is representative of the hundreds of image stacks from which the entire connectome was reconstructed.

Publicado em HarvardScience

4 comentários:

Dra. Edla Grisard disse...

Hey, the image is simply incredible, beautiful, colorful. Parece com uma tapeçaria das mais dificeis e delicadas. Imagina quando pudermos escanear em movimento... deve ser um ballet! Ah, adorei seu comentário no meu blog iniciante! Valeu, deu PESO ao meu texto. Se vc tiver esse inventário/questionário original, favor me mandar que eu usarei nas minhas aulas. Um beijoooooo, sua ex-aluna!!!! hehehe

Ercy Soar disse...

Oi Edla,
o questionário sao as perguntas que postei logo após o comentário. Ele serve pra ajudar quem vive com supostos portadores, mas nao é específico para um transtorno, e sim para um cluster de diagnósticos em que há auto e heteroagressividade, e comportamentos lesivos às relacoes: anti-social, border, narcisista e histrionico sao os principais. Se quiser o original em ingles (essa traducao é minha) posso depois enviar.
Bj

LesPaul disse...

Bacana, mas perigoso para o leigo. Essa foi a primeira impressão que ler o questionário me imprimiu: SERIA eu um doidjo e perigoso gajo? Suponho não sê-lo (baixou o Jânio Quadros). Comecei a percorrer os caminhos de seu belo blog (o preto de fundo é clássico, mas sombrio) e cheguei na Edla e depois na jovem Serpsico. E registro um adjetivo aparentemente pobre, mas sincero: BACANA. Como é interessante olhar pelos olhos dos outros na blogosfera. São leituras totalmente estranhas às experiências que cada qual tem. No meu caso profissional, trato com a hermenêutica tanto no jornalismo quanto no direito. Identificar no discurso a intenção, não raras vezes subliminar, muitas vezes não é tarefa fácil. Aqui vejo a mesma coisa. A leitura profissional das coisas do dia-a-dia traduzidas pelo observador (que interfere). Diferente da bagunça catártica que é o maisbarulho. Uma bagunça inicialmente criada pra versar sobre música, literatura, design, arquitetura e artes em geral, e virou um blog pitaqueiro atirando pra todos os lados e se imiscuindo em praias estranhas à proposta inicial. Agradeço pelas visitas sempre bem-vindas. De quando em vez vou dar uma bisbilhotada, sem comentários, que deixo pros profissionais da área. Parabéns.

Ercy Soar disse...

LesPaul,
às vezes, entusiasmado com as polêmicas mais quentes do dia-a-dia, também tenho a tentação de entrar no campo jornalístico. Mas consigo me policiar pra deixar isso com quem tem mais tempo e competência que eu. Aqui, apesar da minha formaçao profissional, dou mais ênfase a temas colaterais de meu interesse pessoal (literatura, artes) e acadêmico (filosofia, ciências sociais), o que acaba dando também numa grande salada. Isto que é o que eu acho "bacana": a interdisciplinaridade, o diálogo entre diferentes áreas da sensibilidade/razão humana. Como diz o subtítulo, este blog nao passa de uma memória digital, que compartiho com quem mais quiser...
Abraço, e parabéns pelo seu blog.